O que é fintech e por que elas atraem tantos investimentos?

Entenda o conceito de fintech, como investir nesse mercado e o porquê desse modelo de negócio atrair tantos investimentos atualmente.
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
banner do material Fever Play

Cada vez mais, a tecnologia faz parte da nossa rotina, seja em casa, no trabalho, nos órgãos públicos e privados. Ela veio para facilitar muitas atividades que, antes, tomavam tempo, envolviam bastante gente e podiam trazer muita dor de cabeça para as pessoas e, também, para as empresas.

É nesse contexto que o termo fintech começa a se popularizar, fazendo parte da revolução do modo como os indivíduos e as organizações lidam e fazem a gestão das suas finanças.

Embora esse termo seja, atualmente, um dos mais utilizados no mercado financeiro, ele ainda pode gerar dúvidas. Por isso, preparamos um conteúdo explicando o que é fintech, que serviços elas oferecem, os tipos de investimento, suas vantagens e muito mais, para você entender de vez como esse modelo de negócio tem ajudado a acelerar os processos de inclusão financeira nos mais variados segmentos da sociedade.

Vamos juntos? Continue a leitura!

o que é fintech
Entender o que é fintech e seus benefícios é muito importante para fazer uma melhor gestão financeira da sua vida ou da sua empresa

O que é fintech?

Fintech é um termo que surgiu da abreviação de duas palavras da língua inglesa, financial (financeira) e technology (tecnologia), representando as empresas do setor que oferecem soluções e produtos financeiros de maneira 100% digital. Essas empresas ou startups se diferenciam das mais tradicionais do segmento, por conta do uso da tecnologia para transformar os serviços financeiros em atividades menos burocráticas, mais acessíveis e ágeis para seus clientes. 

É importante ressaltar que, embora o termo fintech apareça normalmente associado às startups, as empresas do ramo não necessariamente são startups. A premissa básica para que uma empresa seja considerada uma fintech é que ela seja focada, exclusivamente, no setor financeiro, seja ela uma empresa que ainda está nos estágios iniciais, ou as que já encontram-se estabelecidas no mercado.

E esse setor, durante a pandemia, ficou bastante aquecido, sendo o que mais cresceu no mundo todo. Só no Brasil, que é hoje considerado o maior ecossistema de fintechs da América Latina, foram R$ 2,9 bilhões investidos. De acordo com o último Mapa de Fintechs, feito pelo Finnovation em 2019, o Brasil possui mais de 500 fintechs espalhadas em todo território nacional, que operam em, pelo menos, 10 segmentos. 

Agora que você já sabe o que é fintech e já viu como esse modelo de negócio está em alta, vamos entender melhor sobre as particularidades dos serviços que pode oferecer e seus tipos, abaixo:

  • Fintech de pagamento: aqui no Brasil, essas são as fintechs mais populares. O principal objetivo desse tipo é tornar mais ágil o processo de compra e venda de produtos ou serviços, por meio de cartões de débito ou crédito, boleto e etc.;
  • Fintech de gestão financeira: esse modelo procura auxiliar o cliente a fazer uma melhor gestão e controle de despesas das suas contas e orçamentos, desde pessoas físicas a pessoas jurídicas. Uma plataforma que vem se destacando no mercado é a Conta Simples, que faz gerenciamento de despesas para empresas e reúne conta corrente digital e múltiplos cartões corporativos;
  • Fintechs de crowdfunding: aqui, o foco é identificar ideias disruptivas e que possam gerar algum tipo de investimento de terceiros. Nesse caso, a fintech busca levantar um investimento coletivo para tirar uma ideia do papel;
  • Fintech de investimentos: a tecnologia tornou o processo de investir muito mais fácil. Com o auxílio das fintechs de investimentos, as pessoas conseguem, em poucos cliques e pela tela do computador ou dispositivo móvel,  acessar todo o mercado financeiro e a bolsa de valores, podendo investir seu dinheiro onde bem entender;
  • Fintech de crédito ou empréstimo: essa nada mais é do que uma instituição especializada em oferecer produtos e serviços de crédito de maneira menos burocrática e, muitas vezes, com taxas de juros mais baixas do que as cobradas por empresas no modelo tradicional;
  • Fintech de bitcoin: mas é claro que fazer a gestão de criptomoedas, como o bitcoin,  tornaria-se um serviço, mais cedo ou mais tarde. Por meio desse tipo de fintech, o cliente consegue, então, fazer transações de compra e venda da criptomoeda de forma segura e fácil.

Como investir no mercado de fintechs?

Que o mercado de fintechs está em uma crescente, isso já ficou claro. E receber investimentos faz parte da natureza desse modelo de negócio, que, independentemente do porte e de sua natureza, precisa captar fundos para colocar em prática seus objetivos. 

Entretanto, se você é investidor ou pretende se tornar um, você precisa conhecer as formas que uma fintech ou startup pode levantar investimentos, até mesmo, para que você possa  tomar alguns cuidados e entender que nem toda empresa do segmento vai valer o seu dinheiro. 

Vamos lá?

Rodadas de investimento

Como já mencionamos, assim como as startups, as fintechs são empresas que estão sempre em busca de captar fundos, a fim de manter o seu crescimento contínuo e realizar os objetivos de negócio. E as rodadas de investimento são justamente o processo por meio do qual a maior parte das fintechs levanta recursos para financiar sua operação.

Nesse modelo, os estágios de investimento estão bem definidos, começando com os investidores-anjos, as aceleradoras e, depois, seguindo para investimento semente (seed). A partir daí, começam as rodadas em série, que seguem a ordem alfabética: série A, série B, e assim sucessivamente.

Cada rodada de investimento se diferencia entre si por conta do objetivo do investimento buscado com a manobra e depende da fase em que a empresa se encontra. Certas rodadas podem acontecer com o foco na aquisição de clientes para uma empresa, por exemplo. 

Para facilitar ainda mais sua compreensão, preparamos uma lista com os tipos de rodadas de investimento e suas principais características:

  • Investimento-anjo: essa é a primeira rodada de investimentos de qualquer startup ou fintech, que costuma ser efetuado por pessoas físicas com capital próprio e pequenos investidores profissionais, agregando valor aos empreendedores por meio de sua experiência, conhecimento e rede de relacionamento;
  • Seed: quando a empresa já possui sinais de validação de seu produto e serviço e está em busca de desenvolvê-lo, ela começa as rodadas de investimento chamadas de seed (semente). Aqui, o foco é encontrar o que se chama de Product Market Fit (validação de mercado) e entregar valor para uma base inicial de clientes. No Brasil, essas rodadas podem girar em torno de 1 milhão a 5 milhões de reais. Além disso, é neste momento em que a empresa desenvolve o marketing e vendas com soluções conhecidas e personas já estabelecidas; 
  • Série A: nessa série, o capital é utilizado para otimizar a base de usuários, melhorar a credibilidade da fintech e impulsionar o negócio, explorando novos mercados. Os investidores dessa rodada têm a expectativa de que a empresa já possua um plano concreto para implementar um modelo de negócio lucrativo a longo prazo;
  • Série B: quando o aporte é classificado como de série B, isso significa que a fintech já desenvolveu uma base fiel de clientes e conseguiu validar seu modelo de negócio. O seu objetivo é que investidores contribuam para escalar o negócio, otimizando os processos e ampliando seu alcance de mercado;
  • Série C em diante: nessa rodada, o investimento pode buscar internacionalizar as operações da fintech e contribuir para acelerar seus mais diversos âmbitos.

    As demais rodadas dão continuidade na expansão do negócio, buscando os mesmos objetivos, até que a empresa atinja o nível de maturidade esperado para uma abertura de capital (IPO).

    Leia mais: Os segredos de um IPO de sucesso: o case Méliuz

Por que as fintechs atraem tantos investimentos?

Já entendemos que as fintechs são uma tendência de inovação que vem revolucionando a forma como milhares de pessoas ao redor do mundo se relacionam com o dinheiro. E, por conta de seus produtos disruptivos, esse modelo de negócio traz diversos benefícios para pessoas e organizações

De acordo com um levantamento recente desenvolvido pela Emerging Venture Capital Fellows, que traz um mapeamento completo e detalhado de investidores de Venture Capital do Brasil, as startups do setor de fintech lideram o ranking de setores que mais recebem investimentos, seja em número de deals ou volume de funding

E qual será a razão por trás disso?

Estudiosos apontam que uma das principais razões para esse salto está na adesão de clientes da classe C e D, que foram incentivados pela democratização dos serviços bancários e de crédito, que acabou levantando o interesse e a atenção das pessoas para uma gestão mais eficiente e consciente do seu dinheiro. 

Além disso, outros fatores que podem ter contribuído para o crescimento desse mercado foram as medidas regulamentares que vêm diluindo a concentração bancária e desburocratizando o oferecimento de serviços de crédito ou financiamento, por meio do mercado financeiro ou mercado de capitais, antes restrito aos grandes conglomerados financeiros.

Sem contar as diversas vantagens desse mercado, como:

  • Serem empresas jovens e flexíveis, que se encaixam no perfil de solução ideal que os investidores apreciam;
  • O fato de que uma das bases desse modelo de negócio é a mentalidade voltada à melhorias contínuas e inovação constante. Aqui, o foco é gerar a maior experiência de uso para os clientes;
  • O interesse crescente das pessoas por uma gestão financeira inteligente e sustentável, o que ainda é pouco difundido na sociedade em geral, que ainda mantém muitos de seus recursos nas poupanças de seus bancos tradicionais. As fintechs, ao oferecerem um aplicativo on-line, com conteúdo educativo, por exemplo, são capazes de aumentar a cultura voltada a investimentos no país, atraindo e educando pessoas para se tornarem consumidores;
  • O custo, que, por conta do uso da tecnologia, acaba sendo acessível, aumentando o potencial de escalabilidade dos negócios.
o que é fintech - vc radar
De acordo com o relatório do VC Radar 2021, as fintechs lideram o ranking de setores que mais recebem investimentos no Brasil

Gostou de entender mais sobre o que é fintech e seu universo? Que tal navegar por outros conteúdos do blog e entender ainda mais sobre o mercado de finanças no Brasil e no mundo? 

Conta Simples
Conta Simples
A união entre conta PJ, cartão corporativo e software de gestão financeira em um só lugar. Conheça e abra sua conta gratuita!
Conta Simples
Conta Simples
A união entre conta PJ, cartão corporativo e software de gestão financeira em um só lugar. Conheça e abra sua conta gratuita!
Não sabe como usar os cartões corporativos no seu negócio?

Confira agora como os múltiplos cartões
ajudam no controle das despesas!