IPO: tudo o que você precisa saber sobre a oferta pública inicial

Fazer IPO, ou seja, abrir o seu capital, é um desafio para as empresas que se propõe a passar por isso. Veja depoimentos de quem já fez!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
banner do material Fever Play
ipo-startups-fever-2022

Nos últimos anos, o cenário econômico colocou em evidência muitas empresas que conquistaram o tão sonhado IPO, sigla em inglês que se refere ao fato de as companhias abrirem a opção de compra de suas ações na Bolsa de Valores.

Pensando na relevância desse tema, o Simplifica foi em busca de quem entende do assunto para você entender tudo sobre ele e ainda tenha contato com insights valiosos que possam ajudar no seu dia a dia.

Pronto para esta imersão*?

O que é IPO?

O IPO é uma sigla em inglês que significa “Initial Public Offering, que pode ser traduzido como Oferta Pública Inicial. Esse termo pode parecer complexo, mas não é difícil de entender. Ele é o processo para oferecimento de ações ao mercado pela primeira vez, ou seja, a distribuição inicial em uma Bolsa de Valores que permite aquisição de parte da companhia por investidores.

O objetivo principal do IPO é trazer sócios para o negócio, já que, ao comprar uma ação, os investidores também se tornam proprietários de uma fração da empresa. Dessa forma, ela deixa de pertencer a um único dono e ganha acionistas. Algumas ainda garantem poderes decisórios a depender do volume de ações comprado.

Todo o processo de IPO é acompanhado de perto pela Comissão de Valores Mobiliários, a CVM, que regulamenta o mercado de capitais. Por isso, nem todas as empresas podem abrir o capital e nem é um processo simples, pelo contrário, o programa tem várias etapas e precisa atender a todos os requisitos dos órgãos reguladores. 

Quem pode fazer IPO?

Antes de fazer um IPO, a empresa precisa cumprir alguns requisitos legais e regulatórios. É necessário, por exemplo, estar juridicamente constituída como uma sociedade anônima, S/A, em que seu capital seja dividido em ações, não em cotas — como acontece nas companhias limitadas.

A empresa que deseja abrir seu capital também precisa apresentar uma série de documentos relacionados a relatórios financeiros auditados externamente, a aspectos fiscais, à governança corporativa, a controles internos, à conformidade, a recursos humanos e também à própria estrutura societária. 

Qual a diferença entre IPO e follow-on?

Em resumo, a Oferta Pública Inicial, ou IPO, acontece quando a empresa abre o capital, ou seja, lança suas ações na bolsa pela primeira vez. Já no follow-on, a empresa já está na Bolsa de Valores e pretende fazer uma nova oferta pública de ações.

É importante ressaltar que para fazer um follow-on a empresa necessariamente deve ter passado pelo processo de IPO. Porém, ao contrário deste que é feito apenas uma vez, o primeiro pode ser realizado em mais oportunidades. 

Passo a passo para fazer IPO

Como você pode notar, todo o processo de IPO não é feito do dia para a noite. Do início ao fim, o cumprimento de todas as etapas pode levar de oito meses a três anos. Veja as principais fases de como fazer um IPO correto e seguro:

  1. Converse com seus sócios e parceiros se realmente faz sentido fazer IPO;
  2. Escolha bem um intermediário financeiro, que acompanhará o processo do início ao fim;
  3. Se prepare para passar por toda a jornada, desde o recolhimento da documentação até o pós-IPO.

Primeiro passo: perguntar-se se realmente faz sentido fazer IPO

Andres Mutschler, CEO do Westwing, ressalta que entender muito bem se esse é o caminho certo para sua empresa é o primeiro passo. Isso faz toda a diferença na hora de se preparar para abrir o capital, tanto do ponto de vista jurídico quanto do capital social da sua empresa. 

Por isso, a dica é: converse com outras empresas que já passaram por isso para ver se esse processo faz sentido para a sua empresa. A Méliuz, por exemplo, passou por essa experiência e já contou como foi para ela. 

Segundo passo: escolha um intermediário financeiro

Todo o processo de IPO é realizado por uma corretora, banco de investimento ou distribuidora, que coordena a operação do princípio ao fim. 

Trata-se de uma instituição que dará todas as orientações necessárias, então pense muito bem e escolha com cuidado. Uma dica importante é buscar um parceiro que tenha o mesmo perfil que a sua empresa.

Terceiro passo: preparação, preparação, preparação

Segundo a CFO da GetNinjas, Cynthia Hobbs,  o processo de IPO é uma jornada com muitas exigências, edições, documentações, contratos, due dilligence e burocracias

Na GetNinjas, por exemplo, todo o processo durou três anos, portanto foi preciso se preparar bastante. 

O registro da empresa de capital aberto requer a entrega de demonstrações financeiras em padrões pré-estabelecidos, além do laudo de uma auditoria externa independente. Também é preciso uma reforma no estatuto, já que será necessário a caracterização e os direitos das ações, além dos direitos e deveres das assembleias de acionistas e do conselho administrativo.

Ou seja, muito trabalho e muita preparação em jogo antes de chegar ao IPO propriamente dito.

Desafios do IPO

Desde a decisão de fazer a abertura de capital até o pós, que é lidar com as mudanças, o caminho é cheio de desafios. Por isso, escolher os parceiros que estarão junto nessa trajetória é muito importante. São eles que vão conduzir o processo e precisam estar a par de tudo que acontece na empresa. 

Outro aspecto destacado pelo CEO do Westwing são as armadilhas do curto prazo x longo prazo. A análise inicial, todas as fases do processo e, finalmente, a oferta pública deve ser visando o longo prazo, o crescimento de forma sustentável e a disciplina financeira com os resultados. 

Um ponto essencial mencionado por ele, que já passou pelo processo de IPO, é se manter fiel à proposta inicial. Isso porque, em um mercado volátil como o de ações, as coisas mudam muito rápido e isso pode refletir positiva ou negativamente na empresa, nos colaboradores e nos investidores. 

Assim, manter o core do negócio é fundamental para superar momentos financeiros difíceis e saber como lidar com os bons momentos.

Quanto tempo dura o IPO?

Segundo consultoras independentes sobre o assunto, desde o planejamento e preparação para a abertura de capital até a finalização do processo, fazer um IPO pode levar de oito meses a três anos

Quais habilidades preciso aprimorar no processo de IPO?

Na visão dos especialistas que viveram na pele a experiência, algumas habilidades acabam sendo muito bem-vindas para aprimorar o processo de IPO.

Para Márcio Kumruian, fundador da Netshoes, ZiYou e Tunne, desenvolver a governança faz toda diferença. Ter um bom conselho administrativo é importante também, já que a empresa vai passar por diversas auditorias. 

Andres Mutschler, CEO do Westwing, acredita que a resiliência é uma característica fundamental para conseguir gerenciar tanto o time quanto a imprensa no processo de IPO

Já Cynthia Hobbs, CFO do GetNinjas, pontua que trabalhar a comunicação dos resultados é imprescindível, principalmente quando eles não são positivos, para os investidores, os consumidores, os colaboradores e a imprensa. 

O que vem depois do IPO?

Após a finalização do processo de IPO, acontecem as negociações no mercado de investidores. Assim, as ações da empresa serão negociadas na bolsa e a dinâmica de demanda e oferta vão influenciar o preço das ações.

Com isso, algumas mudanças acompanham essa nova fase. De acordo com a CFO da GetNinjas, internamente,  é possível perceber  uma profissionalização acelerada, um crescimento exponencial e uma virada de chave. 

Para Márcio, a disciplina financeira com resultados deve ser dobrada, pois o olhar precisa ir além dos números básicos. 

Quer aprofundar seus conhecimentos sobre o assunto? Leia a entrevista com Eduardo L’Hotellier, CEO do GetNinjas.

*O texto acima foi produzido com base na apresentação do painel A vida pós-IPO, do Startups Fever 2022.

Não sabe como usar os cartões corporativos no seu negócio?

Confira agora como os múltiplos cartões
ajudam no controle das despesas!