Private Equity e Venture Capital: o que é melhor?

Confira a diferença entre esses tipos de investimento e quais são as principais características desses modelos que movimentam o mercado.
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest

Quando se buscam recursos para injeção de capital, existem duas opções que vêm chamando atenção dos empresários: Private Equity e Venture Capital.

Ambas as modalidades têm a função de levantar o dinheiro necessário para financiar o crescimento de um negócio, mas cada uma possui características e finalidades específicas. 

Embora os termos tenham ganhado bastante popularidade no mundo financeiro, é muito comum que as dúvidas apareçam, principalmente as que envolvem diferenças, vantagens e desvantagens e a finalidade de cada uma dessas alternativas.

Assim, é muito importante ter isso de forma clara em uma futura escolha, que vai depender de fatores como circunstâncias do mercado, bem como a etapa de desenvolvimento do negócio. 

Para ajudar nesses esclarecimentos, o Simplifica preparou um guia completo abordando as principais características sobre esses modelos de investimento que movimentam o mercado.

Após a leitura, você terá mais facilidade em identificar as oportunidades e os cenários mais favoráveis para sua empresa. Vamos lá!

Private Equity e Venture Capital: tendências de investimento

Colocando em termos simples: ambas as modalidades são tipos de investimento. Private Equity e Venture Capital estão entre os investimentos mais realizados entre as startups brasileiras.

Para se ter uma ideia, no ano passado, o Brasil teve movimentações significativas com esses investimentos, segundo o relatório do Transactional Track Record (TTR).

private equity e venture capital
Fonte: Brasil – Relatório Anual 2021 TTR

Para os investidores, trata-se de um retorno garantido e superior a investimentos aplicados em bolsa; para as empresas, além dos recursos, o ganho vem na forma de governança, otimização de processos gerenciais e maior eficiência ao atravessar crises e crescer de forma sustentável

O que é Private Equity?

O Private Equity é um fundo de investimento aplicado diretamente nas empresas. Esse tipo de aporte acontece em empresas que não têm capital aberto, pois o objetivo desse investimento é justamente preparar as companhias para abrir capital

Uma das principais características dessa modalidade é que as empresas que recebem esse investimento já são consolidadas no mercado. Ou seja, elas já se encontram em um estágio de desenvolvimento avançado e maduro. 

Normalmente, os critérios que determinam essa segmentação são baseados em faturamento, capacidade de crescimento e potenciais riscos existentes.

Outra característica marcante é que o Private Equity frequentemente tem como finalidade a abertura de capital na empresa na Bolsa de Valores, por meio de uma oferta pública inicial de ações (IPO). 

Leia também: Os segredos de um IPO de sucesso: o case Méliuz

Em troca do aporte, os investidores garantem participação no capital social dessas empresas.

Geralmente, o Private Equity é uma operação única, com a movimentação de uma quantia expressiva aplicada por um único ou poucos investidores. 

Ele também é realizado quando a empresa que recebe o aporte já possui margens lucrativas e fluxo de caixa estável, assim como estrutura e capacidade para sustentar uma dívida expressiva. 

Vantagens e desvantagens de um investimento Private Equity 

O investimento Private Equity traz oportunidades e também alguns riscos. Dependendo da empresa, cada característica deve ser avaliada conforme os interesses de curto, médio e longo prazo. 

Dentre as vantagens, podemos citar que ele auxilia na gestão do negócio, ao contar com a orientação de um grupo de especialistas. É também um investimento que costuma elevar a rentabilidade da empresa. Além disso, contribui para:

  • Aumento de reputação da empresa diante o mercado; 
  • Mais recursos;
  • Aumento da competitividade; 
  • Abertura para novos mercados; 
  • Oportunidade para entrar na Bolsa de Valores.

Existe também dificuldade de liquidar participações em Private Equity, pois não existe uma carteira de pedidos pronta. A empresa precisa buscar um possível comprador para que a venda seja realizada.

Além disso, por ser considerado um investimento de alto risco, o desempenho da empresa após o recebimento do recurso será determinante para os resultados. 

Mas, por possuir bons critérios de seleção de empresas contempladas, riscos do tipo são minimizados e até previstos. 

O que é Venture Capital?

Já o Venture Capital é um investimento em que os recursos são aplicados em empresas de pequeno ou médio porte, que estão em expansão. Normalmente, em startups.

É muito comum que, inclusive, o Venture Capital seja aplicado em startups que ainda estão na fase de ideação. O recurso oferecido pelo investimento passa a ser essencial para que a empresa tome forma e inicie suas atividades.

Uma das diferenças entre o Private Equity e o Venture Capital está justamente no fato de que, no Venture Capital, há uma expectativa de grande crescimento e rápido retorno

Como carrega a ideia de ser uma aposta, o Venture Capital é considerado um investimento de alto risco.

Uma situação bastante comum que descreve esse tipo de investimento é quando alguém está tentando vender uma ideia a um investidor, de forma a convencê-lo a investir na empresa.

A injeção de recursos acontece por meio de aquisição de ações ou direitos de participação, o que leva a mais uma característica no Venture Capital: aqui, o investidor se torna dono de uma parte da empresa.

Vantagens e desvantagens de um investimento Venture Capital 

Dentre as principais vantagens do Venture Capital, destaca-se a rapidez do processo de negociação. Principalmente, quando comparado ao Private Equity. 

Os processos são menos burocráticos e mais práticos. Por ter o objetivo de dar celeridade ao processo de injeção de recursos, é comum que o investidor líder seja responsável por analisar as cláusulas contratuais. 

Isso é diferente do Private Equity, em que todos os investidores precisam analisar toda a documentação, o que acaba prolongando o processo. 

Outras vantagens do Venture Capital são: 

  • Maior retorno do que investimentos tradicionais;
  • Retorno superior ao Private Equity (graças ao seu alto risco); 
  • Maior engajamento do investidor com a marca; 
  • Apoio à gestão; 
  • Visão a longo prazo; 
  • Alto crescimento. 

Em relação aos riscos oferecidos, está a diminuição da autonomia, uma vez que as tomadas de decisão devem ser validadas também pelo investidor que detém parte da empresa, e isso pode gerar conflitos quando houver desacordo entre as partes. 

Além disso, a expectativa de um retorno rápido e sólido pode criar uma cobrança recorrente de resultados. Nesse caso, é preciso garantir sempre a visibilidade do cenário do negócio e sua visão de futuro.

Qual modalidade se adequa ao perfil de sua empresa

Diante de todas essas informações, deu para perceber que Private Equity e Venture Capital são modalidades diferentes de investimentos e que apresentam pontos positivos e negativos, certo? 

A pergunta que fica é: “qual faz mais sentido para o momento do meu negócio?”.

Para ajudar a conseguir essa resposta, estabeleça critérios, expectativas e prioridades, com base no que cada investimento poderá trazer para a sua empresa.

Não se esqueça também de que é importante abrir a discussão para o time financeiro, coletar opiniões, pesquisar e conversar com especialistas. Isso auxilia para que a tomada de decisão seja mais consciente.

E aí? Pronto para fazer essas análises?

Índice

    Material Gratuito

    Kit do Gestor Financeiro

    Navegue pela era digital da gestão financeira de forma estratégia com esse kit que conta com
    um box de livros digitais + duas planilhas inteligentes e um infográfico completo
    para evitar os gastos fantasmas!

    Kit do Gestor Financeiro (Planilhas + Ebook + Infográfico)