Despesas fixas e variáveis: entenda a diferença nas startups

Confira as definições de despesas fixas e variáveis e saiba como a gestão financeira pode se tornar mais ágil com soluções digitais trazidas pela nova economia.
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
banner do material Fever Play

Tomar decisões em relação ao dinheiro e, em consequência, ao futuro de um negócio é uma responsabilidade e tanto. Por isso, o gestor financeiro de uma startup sabe que conhecer a fundo as finanças corporativas é fundamental.

Neste texto, vamos refletir sobre os gastos dessas empresas, a natureza de cada tipo de gasto, além de trazer exemplos concretos desses conceitos. Quer saber um pouco mais sobre as despesas fixas e variáveis (além de semi-variáveis) de uma organização da nova economia? Confira os tópicos a seguir. 

Visão geral das despesas corporativas

Despesas fixas e variáveis são os dois principais tipos de gastos corporativos. Eles trazem uma diferença fundamental: enquanto o primeiro se mantém constante, o segundo está diretamente atrelado à capacidade do negócio de gerar vendas. 

A identificação desses gastos de acordo com a sua natureza e conforme a existência ou não de oscilação é fundamental para o gestor financeiro. Afinal, é conhecendo esses gastos a fundo  que tem o objetivo de reduzir despesas

Despesas fixas

As despesas fixas não estão atreladas ao volume de vendas ou produção e, portanto, não é possível evitá-las. Por outro lado, é possível estimá-los com maior precisão. Trouxemos alguns exemplos de despesas fixas para startups a seguir:

  • serviços de Internet;
  • domínio para website;
  • salários;
  • seguros;
  • aluguel;
  • eletricidade.

Na nova economia, especialmente depois do início da pandemia, muitas startups e empresas de tecnologia têm optado por reduzir despesas fixas consideráveis como o aluguel e adotar o trabalho remoto. 

Despesas variáveis

Se o volume de produção e/ou de vendas cresce, os custos aumentarão na mesma proporção. É esse cenário que descreve uma despesa variável. Um exemplo emblemático desses gastos são as comissões. Afinal, a cada nova venda, uma nova comissão. 

gestor trabalhando com despesas fixas e variáveis

O gestor financeiro pode se planejar com base em uma estimativa de despesa variável média, dividindo o gasto variável total por número de unidades de produto ou vendas de serviço. 

O que são despesas semivariáveis? 

As despesas semivariáveis nada mais são do que gastos que contêm características de despesas fixas e variáveis ao mesmo tempo. Mas, como assim? 

Vamos usar um exemplo concreto: uma conta de telefone corporativa pode ter uma taxa mensal fixa, mas variar caso um valor determinado seja excedido. Nesse cenário, o valor mudará de acordo com a quantidade ultrapassada.

Leia também: O guia da gestão de custos para sua empresa

Gestão de despesas na era digital 

Startup não combina com burocracia e processos engessados. Em tempos de nova economia e soluções digitais, a gestão de despesas – fixas, variáveis e semivariáveis – pode ser mais ágil, precisa e, é claro, digital.

A gestão de despesas deve considerar os diferentes centros de custos ou departamentos de uma startup. Para dar celeridade a esse processo, é importante ainda lançar mão de sistemas que automatizam as operações mais repetitivas. 

Pensando em facilitar a identificação e o controle dos gastos corporativos, a Conta Simples desenvolveu um software de gestão de despesas capaz de gerir pagamentos, contribuir para a descentralização dos gastos e acompanhar o fluxo de caixa. 

Para conhecer o sistema mais a fundo, que tal agendar uma demonstração? É só clicar aqui

Não sabe como usar os cartões corporativos no seu negócio?

Confira agora como os múltiplos cartões
ajudam no controle das despesas!