Fusões e aquisições: a estratégia de expansão da Rock Content

Veja com foi a experiência da Rock Content com fusões e aquisições e quais foram as principais lições aprendidas pelo time financeiro da empresa.
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest

A realidade de fusões e aquisições de empresas revela grandes desafios em termos de equipe. Com a incorporação de novas pessoas nos times, a tarefa de integração acaba sendo uma etapa importante do processo e merece atenção dos líderes.

No caso da Rock Content, maior empresa de Marketing de Conteúdo da América Latina e referência em Marketing Digital no Brasil, isso foi uma prioridade quando ela adquiriu a norte-americana ScribbleLive. 

A companhia mineira, seguindo uma estratégia de expansão (em 2017, com um escritório em Guadalajara, México; no ano seguinte com a aquisição da iClips, empresa de Juiz de Fora; e em 2019, com a compra da ScribbleLive e a presença em Boca Ratón, na Flórida e em Toronto, no Canadá), passou a lidar com times multiculturais e a se adaptar ao fato de ter se transformado em uma empresa global.

Para que isso se tornasse realidade, muito planejamento e aprendizado estiveram em jogo. Renato Badaró Guerra, que ocupa a posição de CFO há dois anos na empresa, esteve à frente dessa última aquisição e afirma ter aprendido lições valiosas com a experiência. 

“Antes de qualquer coisa, duas coisas precisam ficar bem claras para um CFO que está passando por um processo de fusão e aquisição: é preciso ter convicção na transação, com a ideia de que isso faz sentido para a companhia, e entender a importância da integração da empresa adquirida de ponta a ponta”, lembra Renato. 

O caminho das pedras para os times financeiros

Esse cenário de fusões e aquisições traz algumas análises interessantes sob o ponto de vista de quem lidera o financeiro, principalmente no que diz respeito a pessoas.

A diferença que enriquece

Pode parecer óbvio, mas muitas empresas que passam por fusões e aquisições se esquecem de que a integração das nacionalidades também faz parte do processo. Ter isso em mente ajuda a entender que o trabalho vai precisar contar com essa consciência de diferença de comportamentos e até mesmo de métodos de trabalho. “A gente queria usar o melhor dos dois mundos e garantir que a gente estava criando a melhor mistura para fazer o negócio funcionar”, destaca Renato.

O global e o local se encontram

Outro desafio vivenciado nessa situação é a criação de processos globais que são adaptáveis a realidades locais. “Quando falamos de contas a receber, por exemplo, é impossível ter um processo global porque os países operam de formas diferentes [o jeito que a gente faz contas a receber no Brasil é muito diferente do que é feito nos Estados Unidos. No Brasil, somos muito mais desenvolvidos]. A grande questão é estabelecer uma política global, mas com habilidades e customizações locais para que a gente se adapte à necessidade de cada país”, reforça Renato. 

A cultura organizacional atualizada

A cultura organizacional também passa por transformações em processos de aquisição. “Essa última aquisição também exigiu que a Rock se adaptasse. Deixamos de ser uma empresa nacional brasileira, para ser uma empresa global. Hoje, operamos em inglês como primeira língua, e isso demandou um movimento enorme do nosso time de adaptação. Isso exigiu dos rockers [como os funcionários da companhia são conhecidos] um perfil diferente. Era uma nova Rock surgindo. Por outro lado, a empresa adquirida também precisou vivenciar uma adaptação de cultura. Como ela já tinha passado por muitas aquisições anteriormente, isso fez com que se criassem tribos dentro da companhia. A gente sabia que o banho de cultura tinha que ser feito, mas com calma. E todo mundo estava muito aberto para isso. Pouco a pouco, fomos conquistando essa integração”, lembra o líder financeiro.

O objetivo: eliminar distâncias

Como as equipes se encontram em diferentes países, as ferramentas tecnológicas de trabalho remoto se tornaram as melhores alternativas para eliminar a distância e construir relacionamento, segundo o CFO. “Fizemos alguns encontros presenciais para integrar o time e facilitar a integração, mas, a maior parte do tempo adotamos o trabalho remoto. A digitalização foi acelerada por conta do coronavírus, e tivemos que aprender a usar ferramentas de videoconferência rapidamente. Como uma empresa global, a gente acredita no trabalho remoto, mas ainda teremos os escritórios para interação na medida do possível.”

As lições que ficaram das fusões e aquisições

Depois de passar por tudo isso, o resultado que fica evidente é mesmo de muitas lições aprendidas. “O que ficou desse tipo de experiência foi de muito aprendizado, e isso certamente vai nos ajudar em futuros negócios. Aprendemos a lidar com um mercado totalmente novo e que trazia muitas particularidades”, completa o CFO. 

Ficou curioso e quer saber mais? Não perca a Master Class sobre Gestão Financeira e a Master Class sobre Venture Capital.

Índice

    Material Gratuito

    Kit do Gestor Financeiro

    Navegue pela era digital da gestão financeira de forma estratégia com esse kit que conta com
    um box de livros digitais + duas planilhas inteligentes e um infográfico completo
    para evitar os gastos fantasmas!

    Kit do Gestor Financeiro (Planilhas + Ebook + Infográfico)