CDI: o que é, como funciona e como afeta os investimentos?

Principal referência nas aplicações de renda fixa, o CDI é um indicador muito importante quando se trata de investimentos. Entenda como usá-lo.
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
banner do material Fever Play

As diversas siglas que envolvem o mercado financeiro podem gerar muita confusão por aí, não é mesmo? O CDI é uma que você já deve ter ouvido e que é uma referência importante principalmente para quem aplica em renda fixa

Para entender esse conceito de uma vez por todas, o Simplifica produziu um guia completo para você aprender mais sobre o assunto e compreender como ele está relacionado com os seus investimentos.

O que é CDI?

O CDI (Certificado de Depósito Interbancário) é um título de curtíssimo prazo. Emitido pelos bancos, ele serve para que as instituições financeiras troquem recursos entre si de um dia para o outro, já que o Banco Central determina que elas precisam fechar todos os dias com saldo de caixa positivo com o objetivo de regular o sistema financeiro.

Como existe uma variação dentro dos bancos de terem mais resgates que depósitos, a regra diz que essa diferença seja obrigatoriamente coberta. Para isso, é preciso tomar dinheiro emprestado, com a emissão de um CDI que seja adquirido por outro banco.

“O CDI é uma taxa de juros cobrada entre bancos. É como se fosse uma taxa de juros que os bancos cobram entre eles para fechar o caixa no fim do dia. Todos os dias os bancos precisam fechar o caixa deles por conta do Banco Central, e por causa de algumas operações, em alguns dias eles podem ter uma necessidade de caixa para fechar e fazem empréstimos entre eles.” Joelson Sampaio, professor de Finanças na FGV.

Outro ponto importante é que nesses empréstimos interbancários existe a cobrança de juros. Essas operações são feitas pela Bolsa de Valores, responsável também por calcular a taxa média de juros divulgada diariamente e conhecida como taxa DI (ou taxa do CDI).

Como essa taxa reflete os juros médios das operações entre os bancos, ela se transformou em uma referência para o restante do mercado financeiro. 

Qual é a diferença entre Selic e taxa DI?

O CDI também está relacionado a uma taxa muito relevante no mercado: à taxa Selic (abreviação de Sistema Especial de Liquidação e de Custódia), considerada a taxa básica de juros da economia

Acontece assim: o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central se reúne a cada 45 dias para definir uma meta para a Selic. A taxa Selic efetiva é aquela que acaba sendo usada no mercado na realidade, ou seja, com um valor um pouco abaixo dessa meta.

Como a Selic é definida para se ter um ponto de equilíbrio da economia, normalmente ela e a taxa DI são parecidas. Embora as duas taxas não sejam idênticas, elas seguem a mesma tendência.

“Como o CDI apresenta um risco muito baixo, os bancos cobram uma taxa muito próxima à taxa Selic. Assim, quando a taxa do CDI sobe, a Selic sobe. E o contrário também vale.  Joelson Sampaio, professor de Finanças na FGV.

Como o CDI está relacionado aos investimentos

De modo geral, quando a taxa do CDI cai, as aplicações atreladas ao CDI acabam rendendo menos. Se a taxa do CDI aumenta, elas rendem mais. 

Como ela é a principal referência de rentabilidade para os investimentos de renda fixa, o reflexo é muito grande para o mercado.

Tanto que os investimentos que não estão atrelados diretamente ao CDI também podem sofrer efeitos indiretos com a variação dessa taxa.

Histórico do CDI

Nos últimos anos, o cenário econômico do Brasil sofreu bastante oscilação, principalmente por conta das incertezas geradas com a pandemia.

O gráfico abaixo mostra essas mudanças.

gráfico que mostra a taxa do CDI ao longo dos anos
Fonte: Ipeadata

O que seria 100% do CDI?

Muitos investimentos atualmente contam com uma remuneração atrelada à taxa do CDI. Isso geralmente aparece expresso na forma de percentual, por isso, é muito comum ouvir por aí que a remuneração oferecida é 100% do CDI. 

Isso significa dizer que ele garante um investimento com retorno equivalente à taxa média integral dos empréstimos feitos entre os bancos.

“O CDI é um dos principais indicadores, se não o principal indicador, de investimentos em renda fixa. Quando um título fala que paga 100% do CDI, quer dizer que se o CDI deu 10% no ano, ele vai pagar 10%. Isso vira uma base de remuneração em relação à taxa de juros desses títulos. Como ele acompanha a Selic, quando alguém fala que é 100% do CDI quer dizer que você vai ganhar o que a Selic paga basicamente.” Joelson Sampaio, professor de Finanças na FGV.

Se a oferta é de 80% do CDI, por exemplo, a remuneração seria de apenas uma parte da taxa DI, no caso de 80%, para o investidor. 

Uma coisa que é essencial entender é que se a taxa DI subir durante o período do investimento, o retorno vai ser maior para o investidor. Se ela cair, o retorno vai ser menor.

Você sabia?

A Conta Simples oferece uma grande vantagem para seus clientes. O saldo em conta é aplicado automaticamente com uma rentabilidade de 100% do CDI.

Para ter esse rendimento em conta, você precisa ter um valor mínimo de R$500,00 de saldo.

A rentabilidade que aparece repassada já tem descontado o imposto de renda, IOF e um custo transacional de R$0,008.

Aos finais de semana e feriados, o saldo em conta não rende mas os rendimentos nesses dias podem acontecer por causa da incidência de IR e IOF. Além disso, a taxa de rendimento pode variar sem aviso prévio.

Natália Plascak
Natália Plascak
Especialista em Conteúdo na Conta Simples, é formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em Jornalismo e tem um MBA em Gestão de Mídias Digitais e Inteligência de Negócios pela ESPM. Trabalha com Marketing Digital desde 2017.
Natália Plascak
Natália Plascak
Especialista em Conteúdo na Conta Simples, é formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em Jornalismo e tem um MBA em Gestão de Mídias Digitais e Inteligência de Negócios pela ESPM. Trabalha com Marketing Digital desde 2017.
Não sabe como usar os cartões corporativos no seu negócio?

Confira agora como os múltiplos cartões
ajudam no controle das despesas!