Fluxo de caixa: tudo o que você precisa saber

Saiba o que é fluxo de caixa, qual sua relevância dentro do financeiro e como controlar esse indicador tão importante dentro de uma empresa.
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
banner do material Fever Play

O fluxo de caixa é uma das ferramentas mais importantes da gestão financeira. Ele permite uma visão clara do negócio e ajuda muito na tomada de decisões.

Sabendo disso, o Simplifica preparou um guia completo sobre o assunto para você que busca mais informações e quer começar a fazer esse controle da forma correta.

Pessoa fazendo cálculos de fluxos de caixa e anotando informações

Neste post, além de conferir alguns conceitos sobre esse indicador, você também vai entender sua relevância, como fazê-lo na prática, como controlá-lo e quais são as ferramentas que existem hoje no mercado que podem auxiliar esse tipo de acompanhamento dentro do financeiro.

O que é fluxo de caixa?

O fluxo de caixa é um relatório com informações sobre todas as movimentações de dinheiro gasto ou recebido pela organização em um determinado período de tempo. 

Basicamente, ele tem como objetivo verificar o saldo disponível no presente e projetar o futuro, para que a empresa tenha sempre capital de giro acessível tanto para o custeio de sua operação (pagar funcionários, impostos e fornecedores, por exemplo) quanto para o investimentos (melhorias em produto ou serviço, crescimento e expansão).

Quais são os tipos de fluxo de caixa?

Muita gente não sabe, mas existem diversos tipos de fluxo de caixa. Conheça a seguir as características de alguns deles.

O que é fluxo de caixa livre?

O fluxo de caixa livre, como o próprio nome diz, refere-se a um valor livre, após o pagamento de tudo o que é considerado obrigação financeira do negócio. Ele está relacionado à capacidade de geração de resultados positivos de curto, médio e longo prazo. Geralmente, ele é usado para investimentos em projetos novos e para o pagamento de dívidas.

O que é fluxo de caixa operacional?

A ideia do fluxo de caixa operacional é fazer um levantamento das movimentações financeiras (receitas e despesas operacionais) da empresa em um período específico. Nesse cálculo, não são levados em conta investimentos, juros e impostos, por isso, sua equação é a seguinte: 

LAJIR + Desvalorização – Imposto do LAJIR

*Lucro Antes de Juros e Imposto de Renda (LAJIR)

O que é fluxo de caixa projetado?

O fluxo de caixa projetado tem a proposta de fazer uma estimativa no futuro da situação financeira da empresa. Por isso, é feita uma análise com as entradas e as saídas de capital no presente, levando em consideração fatores internos e externos (mudanças sazonais, por exemplo). Ele ajuda muito na hora de antecipar cenários e estratégias, identificando possíveis riscos.

O que é fluxo de caixa incremental?

O fluxo de caixa incremental mostra as movimentações ao longo do planejamento de um projeto. Ele permite notar os impactos econômicos que esse projeto pode trazer para dentro da empresa e conhecer aspectos como rentabilidade e viabilidade. Basicamente, o fluxo de caixa incremental expressa a renda econômica que pode ser agregada com o investimento em um novo projeto.

O que é fluxo de caixa direto 

O fluxo de caixa direto diz respeito ao acompanhamento da saúde financeira de um negócio em sua natureza contábil, já que considera registros de recebimentos e pagamentos brutos. Ele é bastante usado no mundo corporativo e ajuda para melhores tomadas de decisões. 

O que é fluxo de caixa indireto

O fluxo de caixa indireto tem como base o ano de exercício orçamentário e a Demonstração do Resultado de Exercício (DRE), um relatório que apresenta um resumo dos resultados operacionais e não operacionais de uma empresa. Ele tem como objetivo ajustar amortizações, depreciações e variações nos balanços patrimoniais, que não afetam o caixa diretamente, mas sim os lucros.

O que é fluxo de caixa descontado

O fluxo de caixa descontado traz para o presente (com uma taxa de desconto) o fluxo de caixa futuro de uma empresa. Essa taxa de desconto costuma englobar todos os custos do capital e riscos do empreendimento. Assim, trabalha-se com a valorização de uma companhia, envolvendo uma projeção para compra e venda de ações ou em fusões e aquisições

Valuation por fluxo de caixa descontado

Segundo os especialistas, o fluxo de caixa descontado é o método mais conhecido no mercado para calcular o valuation de uma empresa. Essa conta leva em consideração os fluxos de caixa da companhia tirando as taxas de desconto (que representam o custo de oportunidade do investidor). O valor encontrado é o valuation da empresa.

O que fazer quando o fluxo de caixa está negativo?

A matemática no financeiro de uma empresa acaba sendo bem simples: só deve sair aquilo que entrou, certo? A questão é que o controle de contas a pagar e a receber de uma empresa opera de forma diferente. 

A saída de caixa todo mês é algo mais previsível (salários dos funcionários, tributos, aluguel). Por outro lado, a entrada é mais difícil de prever, porque existe risco de inadimplência e atrasos de pagamentos. 

Muitas vezes, você pode gastar mais do que tem de receita. Isso pode acontecer, por exemplo, porque a empresa está fazendo um grande investimento em um lançamento de novo produto ou até mesmo expandindo sua atuação. Mas o fato é que é preciso ficar atento, porque a operação tem que se pagar um dia.

Quando o fluxo de caixa está negativo, é importante reestruturar os gastos para que a operação fique mais enxuta. Isso significa rever tudo para tentar diminuir os gastos totais.

Aqui, é bom lembrar que a reestruturação pode ser dividida em pontos que custam e que não custam para a empresa. Por exemplo, no curto prazo, se você não tem caixa, não pode demitir pessoas porque isso gera um custo. 

A saída pode ser uma revisão completa de todos os contratos de fornecimento de insumos e de serviços, buscar condições melhores para esses contratos e gerar espaço no caixa para medidas para reduzir os gastos que custem.

Como o saldo negativo também pode indicar diferenças entre os prazos de recebimentos e os de pagamentos, é fundamental planejar e organizar o capital de giro. Assim, a recomendação é construir uma reserva desse capital revendo o calendário financeiro da empresa.

Os empréstimos costumam ser as alternativas mais procuradas, mas não devem ser entendidos como as primeiras soluções. A cautela é uma grande aliada nesse momento, para que não se assumam dívidas além das possibilidades e dificuldades para quitar os compromissos.

DRE e fluxo de caixa: qual é a diferença

O Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE) e o fluxo de caixa são importantes relatórios dentro da gestão financeira e permitem uma análise da saúde financeira da companhia por meio de duas visões diferentes.

No fluxo de caixa, há o regime de caixa, com o registro de documentos na data em que foram pagos ou recebidos. Ele mostra o quanto de dinheiro a empresa tem em caixa e a sua capacidade de quitar seus compromissos. Trabalha mais com o curto prazo e em gerar capital de giro para pagar as contas.

Já no DRE, existe um regime de competência, ou seja, o registro do documento é na data em que o evento ocorreu. Ele permite identificar se a empresa gera lucro e ajuda a encontrar o ponto de equilíbrio financeiro do negócio. Envolve um acompanhamento durante um período maior de tempo, é obrigatório para as empresas (segundo a legislação) e é feito por um profissional de contabilidade.

Deu para perceber que as duas visões são importantes para a gestão financeira de um negócio, certo? Afinal, essas duas perspectivas se complementam e permitem uma melhor tomada de decisão.

Por que o fluxo de caixa é importante?

Um bom fluxo de caixa evita que uma empresa quebre, porque você sabe quanto você tem de caixa na empresa e o quanto você tem de capital de giro.

Com esse relatório, é possível prever situações financeiras, planejar de forma organizada, reduzir despesas, tomar decisões mais conscientes e realizar investimentos.

“O jeito mais fácil de você começar a ter uma gestão financeira é ter um bom fluxo de caixa.”

Pedro Marins, head de Finanças da Conta Simples 

Como fazer fluxo de caixa?

Confira o passo a passo a seguir para fazer o fluxo de caixa de sua empresa:

  • Pegue a sua conta do banco;
  • Baixe o extrato;
  • Classifique o que é cada despesa.

Dessa forma, você vai começar a entender onde está gastando. Por exemplo, estou gastando 60% da minha despesa mensal com pessoal. Eu preciso gastar isso? Ou posso gastar 40%, e os 20% restantes investindo no Facebook para crescer a minha operação e acelerar as minhas vendas? Essas decisões são tomadas com a ajuda do fluxo de caixa

“Você vai pegar o extrato da sua conta PJ no banco e classificar as despesas que você tem na empresa. Por exemplo, gasto com Facebook (gasto com aquisição de clientes), pagamento de funcionário (despesa de pessoal). No fim do mês, é possível ter um reflexo de gastos, receita, margem e lucro.”

Pedro Marins, head de Finanças da Conta Simples 

Como controlar o fluxo de caixa?

Mesmo entendendo a sua importância, encontrar um modelo eficaz para acompanhar esse indicador pode ser desafiador.

Para ajudar você de uma vez por todas, a Conta Simples em parceria com a Treasy produziu uma planilha que pode dar aquela mãozinha na hora de fazer esse processo e ter esse controle.

Ferramentas que ajudam no controle

Hoje em dia, muitas ferramentas presentes no mercado prometem ajudar no controle financeiro, mas nem todas entregam boas experiências. Por isso, é importante ficar de olho e se atentar aos detalhes de cada uma. 

A Conta Simples, por exemplo, é uma boa alternativa já que possui um sistema de gestão financeira com acompanhamento de todas as movimentações em tempo real.

Outra vantagem é que os cartões corporativos da plataforma podem ser divididos em centros de custo, facilitando a visualização dos gastos, a definição de estratégias e a organização do fluxo de caixa.

Resumindo 

O fluxo de caixa é uma ferramenta que pode ser uma grande aliada na gestão de um negócio

Com ele, é possível ter visibilidade e controle do que realmente está sendo gasto e recebido e saber tudo o que entra e sai do caixa da empresa. 

Sua principal vantagem é trazer informações sobre a saúde financeira da companhia, assim, tanto a equipe financeira quanto a gestão terão maior segurança na hora de tomar decisões, prevenir riscos, direcionar a equipe e traçar planos de ação ainda mais estratégicos. 

Lembre-se: o fluxo de caixa só existe com organização e controle. Sem isso, a eficiência fica comprometida. Portanto, monitore e analise esse processo. Muitas vezes, ele carrega respostas simples para situações complexas. 

Natália Plascak
Natália Plascak
Especialista em Conteúdo na Conta Simples, é formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em Jornalismo e tem um MBA em Gestão de Mídias Digitais e Inteligência de Negócios pela ESPM. Trabalha com Marketing Digital desde 2017.
Natália Plascak
Natália Plascak
Especialista em Conteúdo na Conta Simples, é formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em Jornalismo e tem um MBA em Gestão de Mídias Digitais e Inteligência de Negócios pela ESPM. Trabalha com Marketing Digital desde 2017.
Não sabe como usar os cartões corporativos no seu negócio?

Confira agora como os múltiplos cartões
ajudam no controle das despesas!